terça-feira, 24 de maio de 2011

Boneca de papel

Tão superficial
rasa e inconstante
Sua lágrima não passa de um semblante
de um brilho ofuscado
pela máscara que criei
minhas mentiras soberbas e prepotentes.
Me tornei antagonista
de um destino embriagante
fátuas palavras
de um mero caminhante de um mundo tão óbvio e obscuro.
Você é minha querida
escolhida
apenas minha personagem desta obra lírica
inconstante
antes que eu te queime, não diga que talvez me ame.

Um comentário: