domingo, 17 de julho de 2011

O desconcerto do mundo

E minha mente se entregou ao limbo!
Imaginei hordas de monges segurando flores,
                     terços e pregando palavras dos deuses.
Ouvi gritar o mendigo:                                   O FIM ESTÁ PRÓXIMO!
E o frustrado falou baixo respondendo: talvez esteja para mim.
E EU GRITO, ALTO
DESMERECENDO O ATO DE SORRIR
POIS ME SINTO BAIXO
Procurando ser feliz.
Imaginem o AMOR
Que sofro sem sentir
que sinto sem sofrer
que escolho por                               viver
e vivo para morrer
POR TI
por mim.
Morrer por todos que vivem por si
Morrendo
apenas por sentir.
O MUNDO
Tão fraco,                     pequeno,                     desolado
Esquecido, perdido e apagado
como os dias
desgraçados
SEM                                                       COR
SEM META
SEM GRITO
E AH! cansei dos meus versos desconcertados.

E NÃO IMAGINEM NADA!

2 comentários:

  1. Mas a ideia surgiu por conta das suas palavras, então ela é sua. Fantástico, Pedro! Ah, eu também cansei, mas me pedir pra não imaginar já é demais, seus versos sempre me deixam absorta. Abraço! :*

    ResponderExcluir