sábado, 18 de fevereiro de 2012

Eu; Corvo

Libertar-se há um dia minha alma para fora desta sombra?
Tesouros enterrados sob um chão de concreto
selado e guardado por sombrios espectros
de uma mente insana incapaz de compreender que
a 'minha alma para fora desta sombra que está caída e flutua sobre o chão
não se levantará
nunca mais.'

Nenhum comentário:

Postar um comentário