quarta-feira, 30 de maio de 2012

Resultado da promoção!

Como prometido para o dia de hoje, segue o resultado da promoção:

1º Lugar: Elisa Biazi e Arthur Lamounier, com o arte+poema "Discursão de carnavais passados" (Prêmio: poema homenagem+livro)
2º Lugar: Suzene Furtado, com a frase e montagem "Quando a vida me fizer de palhaço eu farei dela o meu circo." (Prêmio: poema homenagem)

Confiram as obras dos autores:

Por Arthur Lamounier e Elisa Biazi (clique para ampliar) 

Por Suzene Furtado (clique para ampliar)


Peço para que os vencedores entrem em contato comigo até o dia 1º de Junho informando endereço para envio dos prêmios. Os prêmios serão enviados até uma semana após contato.

Obrigado pela participação de todos!
Grande abraço.

terça-feira, 22 de maio de 2012

O ritmo da pausa

É o ritmo da pausa prudente,
pesada, silente,
dramática.

É o canto da ave que cala
ao som silente prudente
da pausa existente.

Da lágrima contente.
Do grito vertente.

Da pausa.
Do ritmo.

Da ave.
Do pio.

Mas tentava ser,
o grito
da alma.

Não passava de nada mais
que o ritmo
da pausa.


Paradoxo

Vamos nos redimir à falta de criatividade.
Se nada se pensa, nada se cria;
se nada se cria, pode ser que tudo se pensa.
Se tudo se pensa e nada se cria...
...o que pensamos senão nada?

Ainda sim penso, mas não crio.
E agora crio, sem pensar.

Isso só torna tudo ainda mais confuso.
E mais uma vez, sem conclusões.

terça-feira, 15 de maio de 2012

Lastro

(Eu viveria)
Se não puxasse minha consciência para o fundo da terra, acreditaria eu que poderia viver com a cabeça nas nuvens.

Talvez até viva.

Se puxasse minha consciência para fora da terra eu saíria das nuvens.
(se puxasse minha consciência para fora de tudo.)

domingo, 13 de maio de 2012

Roadhouse blues

Sentado, em minha eterna paz e tomando um drink praticamente chamado solidão, observava aquela menina que dançava como se ninguém mais estivesse ali, estava quase estupefato. Morrison arranhava os vocais 'Let it roll, baby, roll' Algo me impressionava ao observar aquela garota. 'Do it, honey, do it'. os lábios dela se moviam com delicadeza. 'You gotta roll, roll, roll, you gotta thrill my soul, all right.' Ela cantava em silêncio e dançava. Tudo escurecia. Ainda dançava, agora me encarando, seus lábios ainda reproduziam em silêncio; 'The future's uncertain, and the end is always near'. Eu já estava perdido, cego.
"Let it roll, all night long..."

sábado, 12 de maio de 2012

A lua sorriu para mim

Pensava que sentiria um abraço
e os espíritos murmuravam
pois tinha de seus deuses
um tótem em meus braços.

A lua sorriu para mim,
e afastara
alguns males que faziam
de todos um abismo...
      (...de sonhos...)
...sem fim.

Abraça-me.

terça-feira, 8 de maio de 2012

E canta o palhaço

Versos líricos de pequenos descasos.
hilário
Pobre, coitado, palhaço.
escárnio
Refrões compostos de casos hilários.
descasos
Chora o palhaço.

domingo, 6 de maio de 2012

Dança de espectros

Num claustro, escuro
 o único fio rubro era o pouco de luz armazenada no fundo de meus olhos.
Eu fechava os olhos e podia ver.
O traço rubro, uma vermelhidão intensa se contorcia e desaparecia
pressionava os olhos e a linha reaparecia retorcida e duplicada.
Aqueles dois espectros dançavam sem forma e graciosidade, mas variavam do vermelho
amarelo
 até um branco impotente.
Após aquele baile, quando os dois espectros se tornaram uma só mancha,
 o branco se dissipou com clareza.
Abri os olhos
não havia mais luz
não haviam mais rastros
o baile acabou
e tudo era a forma
de um único vazio
os corpos chocados
um todo
.
.
.
onde criei amor.
Anteriormente postado por mim em Reminiscência

sábado, 5 de maio de 2012

Espelho de todos

E esconde o arlequim
sob a máscara, por puro medo
de ver a realidade que reflete
[em seu espelho.