domingo, 2 de setembro de 2012

Foi claro, simples...

 veio do nada e se foi com tudo.
Deixou-me aos ares
como tudo levado
controladora do lastro
em equilíbrio, me calo
meu sentimento, roubado.

E continuo calado.

2 comentários:

  1. "veio do nada e se foi com tudo."

    Efeito interessante: o verso iniciado com minúscula também parece "vir do nada", quase como se fossemos transeuntes por aí e nos pegássemos ouvindo este poema no meio de sua declamação... Senti como se entre o "Foi claro, simples..." e o "veio do nada" tivesse um pedaço omisso a nós, leitores, para nos divertimos o preenchendo com o que nossas possibilidades e vivências nos permitem!

    Como de praxe, sempre encontro bons poemas cá em seu Delírio, Pedro.

    ResponderExcluir
  2. Parece que lê minha mente literária, Sagrarius!
    Haha. Muito obrigado!

    ResponderExcluir